segunda-feira, 24 de junho de 2013

A FOLHA VERMELHA

Mais louca que aquela folha de caderno vermelha amassada, sendo constantemente inundada pela chuva torrencial que caia sobre ela, como sinônimo de força - eu estou do seu lado - (a chuva), olhos enfurecidos com a força adquirida diante de todo o seu desprezo diante do sumiço, gritava:

- DORMI PORQUE EU QUIS, PORQUE EU SENTI VONTADE DE PEGAR AQUELE CORPO ROBUSTO E ABRAÇAR BEM FORTE, APERTAR E APROVEITAR, E ME ESBANJAR NAQUELA BOCA CARNUDA, PELOS DESEJOS QUE VOCÊ DESPERTOU E MIM, FOI PORQUE EU QUIS E NÃO FOI POR VOCÊ, MEU MUNDO NÃO GIRA MAIS AO REDOR DO SEU UMBIGO!

Ele não sabia mais se havia se decepcionado porque ela fez porque quis, ou se havia se decepcionado mais quando acreditou que foi por retaliação. Mas estava decepcionado de qualquer jeito. Azar o dele! Ele provocou a situação...
E aconteceu sim, cara, agora aguenta, e não girou em torno do seu umbigo não, girou em torno dos desejos vulcânicos dela que você despertou mas abandonou. Agora aguenta, ser infeliz. O que te incomoda agora, é que você não foi o motivo, você não é mais a questão da vida dela!

- Amanda Ribeiro

Nenhum comentário: